Segunda-feira, 2 de Abril de 2012
Numa noite.

Lembro-me das horas gastas em frente do espelho. Ora pela procura do vestido preto revelador das minhas curvas e das sandálias mais altas que haveria dentro da bagagem, ora a esticar o cabelo já de si liso, ora na maquilhagem carregada no preto onde as pestanas eram tão falsas quanto o meu bronzeado facial. Não saberia o que reservaria na noite, tão estranha às minhas células como aquele ambiente temperado mediterrâneo, daí a ansiedade pela imagem projectada no espelho ser a mais perfeita possível. Os olhos cruzaram-se pelos doze de espanto. Os rostos estão excitados e as vozes agudas prontas para imergirem nos grandes portões pretos. A batida é violenta, as luzes cegam e a temperatura é elevada. Os corpos dançam de encontro ao ritmo. As vozes acompanham as melodias. Chega, por fim, o momento de o álcool toldar as acções. Tornamo-nos lentamente mais intuitivos, cada vez menos racionais. Eu não sou a excepção, ninguém o é. Os jogos de sedução iniciam-se. Primeiro, os olhares, os sorrisos, as palavras segredadas nos ouvidos, as gargalhadas e, por fim, a distancia entre os corpos diminui. Comigo não foi diferente. Colocas a mão na minha anca. Ignoro-a. Afastaste mas não desistes. Esperas pacientemente. Saberias, porventura, nem um minuto passaria sem que o meu olhar te encontrasse. Seduzo-te. Danço para os teus olhos, porém, é neles que vejo o colega de turma das piadas secas, o inteligente mascarado em burro, o rapaz com que tinha travado conversa até adormecer na noite anterior. Recuo. Na bebida castigo-me mas é tarde de mais. Agarras as minhas mãos. Relaxa, ordenas. Puxas-me pela cinta contra o teu abdomen. Beijas-me o cabelo, a orelha, o pescoço, enquanto, numa dança lenta perco o controlo sobre mim. Deslargas as mãos, rodo sobre mim na procura dos teus olhos. Riste, tão palerma quanto o és sem sensibilidade alguma. Entrelaças novamente as nossas mãos. Tens de te rir. Não posso fazer tudo sozinho. Insultei-o. Riu-se e prendeu-me nos seus braços. Dança comigo. Saberia que tudo não passaria de uma noite, para quê fazer uma cena mimada quando não era o que desejava? Sem protestos, deixei a minha cabeça tombar sobre o seu peito musculado.


recortes:

copodeleite às 23:30
link | |

(27):
De s. a 4 de Abril de 2012 às 22:38
oh, obrigada querida :) que a sorte te entre pela janela também :)


De Sofia Sequeira a 4 de Abril de 2012 às 21:18
Sem dúvida!


De Sofia Sequeira a 4 de Abril de 2012 às 21:10
Não é difícil... Mas lembrar esses momentos deixa-me nostálgica e com uma vontade enorme de voltar atrás no tempo para puder voltar a reviver tudo de novo!


De Sofia Sequeira a 4 de Abril de 2012 às 20:46
Ninguém pode duvidar, mesmo. Foi quase um ano de muito amor. Um beijo.


De s. a 4 de Abril de 2012 às 20:43
É verdade. Espero, sinceramente, que não seja o caso!


De s. a 4 de Abril de 2012 às 20:38
eu sei que tenho e dou-lhe tanto valor, acredita :) Obrigada!


De s. a 4 de Abril de 2012 às 20:35
sabe sempre :)


De s. a 4 de Abril de 2012 às 20:32
Foi um querido sim :)


De Inês Tavares a 4 de Abril de 2012 às 12:33
fico sempre com a sensação de que cada vez escreves melhor, e é mesmo verdade digo.


De Raquel a 4 de Abril de 2012 às 00:23
aw muito obrigada o: tambem te estou a seguir :)


Comentar post

Encontras...

Créditos

Formspring

Perfil