Sábado, 10 de Março de 2012
(um)

Acordei, sem querer, abri os olhos. ao invés de ver o branco do tecto, vi o castanho do teu olhar. Já lá vão dias, que a minha vista não te põe em cima mas ainda estás tão nítido... Cada pormenor no seu lugar, retido na imaginação sem fim. E tortura-me, juro. A espera é doentia, interminável, por ouvir dos teus lábios o meu nome. Apenas e só isso. A tua voz. Maldita paixão que me tornar fraca e vulgar. Não gosto do amor, não gosto. Daí, preferir o silencio. Mesmo assim, este desejo mata-me.


recortes:

copodeleite às 22:50
link | |

(17):
De s. a 11 de Março de 2012 às 13:20
não tens de quê (:


De Lhuna a 11 de Março de 2012 às 12:25
a espera aumenta o desejo. a espera mata mas o desejo, na altura certa, é-nos o mundo.
obrigada :)


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:53
eu também querida :)


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:51
mais cedo ou mais tarde vao acabar por acertar as coisas :)


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:46
não sabia . pensava que tinham grupos de amigos distintos só isso.


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:39
mas vocês não andam na mesma escola?


De Mariana a 11 de Março de 2012 às 11:39
Obrigada;) Isto está mesmo giro. Adorei a descrição!

Beijos


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:37
também tens razão.


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:30
já tive uma relação parecida...


De s. a 11 de Março de 2012 às 11:14
isso foi mesmo sério. vocês estão ou tem estado juntos?


Comentar post

Encontras...

Créditos

Formspring

Perfil

Visitas
Free Web Hit Counter